mais recentes
Summertime
Da Caros Amigos
Do livro da Cia. dos Atores
O ensaio de 23/06 foi musical
Notícias da Semana - 16/06
Vincent - Tim Burton
Arte de escrever muito sem dizer nada ou Release P...
Notícias da Semana - 02/06
Ensaio de 26/05
Notícia da Semana

arquivos
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007

 
sexta-feira, agosto 25, 2006
Rabiscos
Existe um tipo de profundidade que só se consegue com o estranho.

Experimente enxergar daquilo que é íntimo apenas as brechas entre o cotidiano. Reserve os maiores esforços para explorar o alheio.

Experimente um anônimo, um estrangeiro. Entregue-se. Manifeste suas sensações e pensamentos mais profundos.

Fale para olhos inexplorados e goze com o estranhamento. Procure olhos curiosos e sinta a intensidade de ser devorado.


Espaço constituído por um grande aglomerado de personagens sem vínculos formais, unidas apenas pelo interesse de experimentarem umas às outras. Seus primeiros habitantes nem sempre foram anônimos. Guardaram de sua experiência anterior apenas bagagem suficiente para poder compreender as disparidades entre a forma de convivência do mundo externo, e a convivência através das sensações puras. A forma de lidar com tais sensações é o que pode caracterizar um mundo alheio, formado por alheios em sintonia.

A entrega entre anônimos, quando verdadeira, permite um tipo de relação com poder incalculável. Apenas perceptível. A forma de olhar, a frase que sai da alma, o toque ao novo, o arrepio de sentir aquilo que vem de onde não se sabe o que esperar. Em um mundo aparentemente invisível, há uma energia inesperada.
Francisco | 16:57  | 0 comentários

quinta-feira, agosto 10, 2006
Invisível?
O que eu não vejo, talvez exista!
Leca | 03:04  | 4 comentários