mais recentes
Summertime
Da Caros Amigos
Do livro da Cia. dos Atores
O ensaio de 23/06 foi musical
Notícias da Semana - 16/06
Vincent - Tim Burton
Arte de escrever muito sem dizer nada ou Release P...
Notícias da Semana - 02/06
Ensaio de 26/05
Notícia da Semana

arquivos
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007

 
domingo, fevereiro 18, 2007
Flanar dos tijolos e da explosão
Fonte: Pingüim de Cócoras

Naquele dia eu saí do teatro com vontade de quebrar tijolos. Nos tempos de outrora, quando eu não possuía blog, saí do teatro com vontade de quebrar tijolos. Faz parte do papel transformador do teatro? Acho que sim. Entrei como as outras pessoas entram em um teatro. Andando. E saí querendo quebrar tijolos. A peça era totalmente experimental. Bela referência. Uns gostaram, outros não. Nesse dia, fomos do teatro ao metrô pulando e procurando tijolos. Não achamos nenhum.Me realizei noutro teatro, noutro dia, ainda em outrora, quando dei 22 marretadas na parede de outro teatro. Fazia parte de um tipo de protesto - o vizinho rico tampa o buraco, o pessoal do teatro abre. É bem mais legal abrir do que fechar. Foi umdoistrêsquatrocincoseisseteoitonovedezonzedozetrezecatorzequinzedezesseisdezessetedezoito
dezenovevintevinteumvintedois... em coro... De mão em mão, a parede transformou-se em lembrança e pó.Mais recentemente, uma mãe desesperada destruiu um bolo. Fragmentos gordurosos, farelo, cereja e chocolate voaram por toda a sala, sujando pisos e roupas. Compreensivo, era uma mãe de um filho imaginário que não conseguia acender as velas. Depois do tesão e delírio, restou comer as sobras do bolo. E tacar um pouquinho nos outros, é claro. O próximo passo, acredito que seja a nova peça do meu grupo de teatro. Uma dica - teremos jornalistas, publicitários e um engenheiro químico em cena.
Leca | 01:06  | 4 comentários

quarta-feira, fevereiro 14, 2007
Pelo experimentalismo da linguagem
Fonte: subverso

Tudo começou há uns seis ou sete anos. Eu ainda no colégio, e por indicação de uma colega de classe, assisti Nostalgia, um espetáculo da Sutil Companhia de Teatro, dirigido por Felipe Hirsch. Possivelmente aquela tenha sido a primeira vez que saí de casa para assistir a um espetáculo totalmente desconhecido, sem nenhum ator famoso. Me lembro de ter visto um espetáculo introspectivo, denso, um tanto sombrio, sobre o mergulho de um adulto em suas lembranças de infância e adolescência.

Naquela noite de domingo pela primeira vez na vida saí do teatro pensativo. Eu era um adolescente que não sabia o que queria da vida (não que hoje eu saiba), e não tinha referências suficientes para digerir aquele espetáculo. Aquela trilha sonora arrasadora, aquelas projeções, aquela iluminação e aquela cenografia absurda da Daniela Thomas (que depois eu descobriria que eram todas características do trabalho da Sutil) somadas àquele texto (embasado pela longa pesquisa da companhia pelas entranhas da memória), construíram esse universo que se manteve por muito tempo ecoando em minha cabeça e nunca havia entendido o porquê de tamanha fascinação por aquele espetáculo que vi uma única vez.

Anos depois, voltei a fazer teatro com um grupo que formamos na faculdade e do qual faço parte até hoje. E diferente das experiências anteriores, aprendi a digerir o teatro, e então eu consegui entender o porquê de eu ter me interessado tanto por aquela peça: era o começo de meu fascínio por novas linguagens. Comecei então a conhecer outras companhias e grupos fantásticos que, somados à Sutil (que eu adoro e acompanho até hoje), apesar de possuírem linhas estéticas e dramatúrgicas totalmente divergentes, têm em comum o estudo de novas novos formatos, novas possibilidades de encenação e de abordagem do texto, que fujam de alguma forma ao padrão estabelecido pelo teatro tradicional.

Entre estas companhias, gosto sempre de citar (além da Sutil), o Teatro da Vertigem e os Satyros. Recentemente pude somar também à minha lista de referências o Teatro Oficina de Zé Celso e o trabalho do diretor alemão Frank Castorf.

Todas essas referências, somadas logicamente à paixão que tenho pelo teatro desde os 8 anos de idade, fizeram com que surgisse uma angústia de sempre tentar fazer uma arte questionadora, não necessariamente de conceitos sociais, políticos ou ideológicos, mas sim questionadora de linguagens e formatos. Uma angústia de querer experimentar, tentar coisas fora do convencional, jeitos diferentes de se transmitir o que precisa ser dito (e o que precisa não ser dito também).

No fim das contas, poucas coisas têm me dado mais prazer do que tentar suprir esta angústia. E hoje tenho a sorte de participar de dois grupos que valorizam esse experimentalismo: o Sagomadarrea, grupo amador que está mergulhado em seu primeiro processo de criação colaborativa, com um espetáculo que fala de visibilidade, invisibilidade, crença, morte e solidão; e a II Trupe de Choque, companhia que, em seu segundo processo, está estudando a fundo o universo do shopping center e montará um espetáculo dentro de uma usina de compostagem desativada que é a sede da companhia.
Maurício Alcântara | 01:34  | 0 comentários

segunda-feira, fevereiro 05, 2007
Nos tempos da repressão
Dizem que naquela época a coisa era complicada pros artistas. Um amigo me contou que, um dia, ele subiu em uma estátua na Av. Paulista, uma que tem em frente ao Parque Trianon, e se pendurou pelo pescoço com uma corda. Segurou uma plaquinha "Não deixe a arte morrer" todo vestido de clown (palhaço). Nas brincadeiras com as pessoas que passavam ainda levava um dinheirinho no chapéu.
Depois vem aquela coisa, polícia, "desse daí agora", tapa na cabeça, spray de pimenta, gritaria. Rasgaram o figurino dele. Isso foi o que mais incomodou, e como a arte é linda, quem se importa com integridade física quando se destrói um personagem.
Mas isso já faz tempo. Tipo 30, 40 minutos... Passado.


naná de castro | 21:51  | 0 comentários

quinta-feira, fevereiro 01, 2007
Tendal da Lapa

A peça ainda vai demorar um bocadinho, mas já anotem o endereço!
Rua Constança, 72
Maurício Alcântara | 23:15  | 0 comentários